Milhares de pessoas em risco de se tornarem sem-abrigo

13-03-2013 19:02

"Há milhares de pessoas que estão a viver num limbo, com rendas em atraso às câmaras e à banca, que ainda não foram despejadas", alerta a diretora da Ação Social da AMI.

 

As instituições de solidariedade têm conseguido controlar o número de sem-abrigo, mas temem que as ações de despejo e a sobrelotação das casas empurrem muitas pessoas para a rua, faltando capacidade para as acolher.

Nesse sentido, consideram urgente uma maior coordenação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo, lançada em março de 2009 com o objetivo de criar condições para que ninguém tenha de permanecer na rua por falta de alternativas.

A diretora da Ação Social da Assistência Médica Internacional  (AMI) disse à Lusa que a estratégia tem permitido controlar a população sem-abrigo.

Contudo, disse Ana Martins, "temos medo que, com os desalojamentos que estão a surgir e o excesso de sobrelotação das casas, a situação descarrile". "Há milhares de pessoas que estão a viver num limbo, com rendas em atraso às câmaras e à banca, que ainda não foram despejadas. A partir do momento em que as autarquias tomem a decisão de as despejar será o caos social", salientou.

 

Instituições sem capacidade de resposta

Segundo Ana Martins, uma grande percentagem destes inquilinos iria ficar na rua porque "as instituições não têm capacidade de resposta para a quantidade de pessoas que estão nesta situação".

Esta posição foi sustentada por Isabel Monteiro, da Cáritas de Setúbal, afirmando que "a situação tem vindo a agravar-se e não há respostas para os problemas".

"Estamos numa situação aflitiva e é preciso olhar para esta realidade da precariedade da habitação e do desemprego", disse Isabel Monteiro.

Esta situação é "um cocktail molotov, porque as pessoas ficam sem emprego, sem casa, começam a andar na rua e as instituições não têm resposta", frisou.

As responsáveis criticam a falta de gestão e coordenação da estratégia para os sem-abrigo a nível nacional e o "silêncio" do Governo sobre esta matéria.

"Omissão e silêncio do Governo"

"Nós continuamos a trabalhar em Setúbal sem apoios nenhuns, sem uma orientação central", disse Isabel Monteiro, considerando que a estratégia "é algo que politicamente não está a merecer o interesse necessário".

Isabel Monteiro defendeu que a Segurança Social, as organizações e as redes sociais deviam coordenar-se: "Muito mais importante do que andar a lançar projetos, que depois não há dinheiro para os realizar, é coordenar estas ações no terreno".

Sublinhou ainda que esta situação está a provocar um "desgaste muito grande" dos técnicos e "a provocar o desalento nas pessoas que se veem sem nada".

"Estamos numa situação em que já começamos a sentir que, em determinadas situações, e daqui a um tempo, a única coisa que podemos dar é ouvir a pessoa, acolhê-la, dar-lhe uma sopa, um banho quente e um cobertor para dormir na rua", lamentou.

Ana Morais acrescentou que as instituições estão no terreno a trabalhar a estratégia, mas lamentou "a omissão e o silêncio do Governo em relação aos objetivos e à estratégia".

Já a diretora da Ação Social da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Rita Valadas, lembrou que a estratégia envolve todo o país, mas a questão dos sem-abrigo " é essencialmente um problema da cidade de Lisboa" que tem vindo a ser trabalhado no âmbito da rede social.

Plataforma para sem-abrigo

Em Lisboa constituiu-se uma plataforma para a pessoa sem-abrigo.

"O que se procura, além da identificação do problema, que as instituições que trabalham no terreno conhecem muito bem, é que as respostas sejam adequadas às verdadeiras necessidades que vamos sentindo e nas mudanças que este fenómeno vai tendo na cidade", acrescentou.

No Porto, a estratégia tem estado a funcionar e "a resposta tem sido eficaz", com a retirada de 1.300 pessoas das ruas, segundo o presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza, padre Jardim Moreira.

A Lusa contactou o Instituto de Segurança Social para fazer um balanço dos quatro anos da estratégia nacional mas não obteve resposta em tempo útil.

 

Clique aqui para ver o artigo original (Expresso)